Sinceridade é para quem merece

Caso queira, pode clicar no play e ouvir a música “Pra ser sincero” do Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii) enquanto lê, já que era a que eu ouvia enquanto escrevia.

É lógico que, nas relações de casal, a sinceridade é essencial para que se possa continuar, para a longevidade da relação. Mas e nas relações pessoais em geral?

Sinceridade é para quem merece. Nenhum de nós, na maioria das vezes, quer contar a verdade do que sente ou sobre o que observou. Em verdade, a maioria das pessoas quer se livrar da verdade – sua verdade – que estava incomodando e passá-la adiante, para que incomode outro. Outro que, na maioria das vezes, sequer pediu ou desejava sua opinião. O que se quer na real é se utilizar da tal sinceridade para ferir, atacar ou curar sua inveja agredindo o outro, ou sei lá qual o motivo. Sinceridade não é grosseria.

Ainda que seja verdade, não é porque seja verdade que pode ser esfregada na cara das pessoas como se fosse uma luva de esfoliação facial – não me perguntem como cheguei a essa analogia (risos).

Mesmo tendo razão, quando tomamos conhecimento de algo que nos desagrada, geralmente, não refletimos sobre, não utilizamos o truque de contar até 10 e já arremessamos as coisas sobre o outro de qualquer jeito, com a cabeça quente.

As questões são: eu estou em condições de explicar? E o outro? Ele vai entender e captar o que estou falando? Será que está pronto para ouvir da maneira como quero que ele compreenda, na extensão do que me incomodou?

Temos que ter condições de falar e o outro condições de ouvir, senão não adianta nada. Por mais que não gostemos de certas pessoas, algumas relações são necessárias; as profissionais, por exemplo. Um ímpeto de sinceridade desnecessária pode tornar a continuidade destas relações impossível e trazer grandes desgastes e prejuízos para nossas vidas.

Seria de grande sabedoria fazer o exercício de esperar o melhor momento para falar, o menos irritado, o mais agradável, o que te dê mais chances de se fazer entender e que dê menos chance ao outro de, injustificadamente, não considerar seus motivos.sinceridade-e-uma-arma-perigosa-frase-imagem-facebook

Sinceridade é ter a sensibilidade de descobrir o melhor instante para falar, o instante em que a pessoa vai compreender.

Há pessoas que confundem sinceridade com falar rápido, na lata, no momento de maior ira, não importando se de quem fala ou de quem ouve. Falar algo importante ou urgente sem tempo é pedir para se dar mal.

Há pessoas que confundem sinceridade com opinião não solicitada. Então para estes – alguns amigos inclusive – vai uma informação em fórmula: OPINIÃO deriva de um PEDIDO; logo, se não há pedido, não dê sua opinião, mesmo que sincera.

Há, também, pessoas que acham que devem doar sua sinceridade a qualquer um, a pessoas das quais não gostam, que não confiam ou que não têm importância nas suas vidas e, dessa forma, acabam se expondo, sem necessidade, para indivíduos que nem sempre vão saber fazer um uso adequado e leal disso.

Já li uma vez que você ser legal com alguém que você não gosta ou não tem tanta afinidade não significa que você é falso. Significa apenas que você é maduro o suficiente para conviver.

Nestes casos, acho que deveríamos utilizar na vida o ensinamento: “Sinceridade é para quem merece”.

E aqui não no sentido de ser falso com todo mundo que não merece, mas no sentido de compartilhar o melhor de sua vida e expor suas virtudes e fraquezas apenas com quem pode dividir tais intimidades com você, não importa quem. A depender do assunto pode ser um amigo, um familiar ou um companheiro de trabalho.

Sinceridade é para quem merece. Se assim é, temos que começar pela gente, sendo sinceros com nós mesmos – aqui me incluo. Acho que uma boa maneira de exercitar seria não fazendo nada que nos desagrada, que nos violenta, que não nos acrescenta, ou estando indiferentes a pessoas ou ambientes, aonde vamos apenas por inércia ou porque nos chamam e não sabemos dizer não.

Sinceramente, é o que tem pra hoje porque é difícil escrever sobre isso (risos), na verdade é só inspiração vinda da música que eu estava ouvindo.

Abraços sinceros, cropped-IMG_20141004_1545041.jpg

 

Comente pelo Facebook

Comentários

José Guimarães Gomes Júnior

About José Guimarães Gomes Júnior

Quando criei o Questão de Interessância, pensei numa forma de dividir e divulgar ideias, além de oferecer e compartilhar espaço com quem não tem. Gosto de escrever durante a noite na companhia da insônia que frequentemente me visita. Escrevo também nas viagens para o trabalho, já que o trânsito caótico e o transporte público de má qualidade do Rio de Janeiro me proporcionam tempo para isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *